Relatório de uma excursão à Reserva Biológica de Nova Lombardia-ES

Alexandre Luis Padovan Aleixo - Campinas-SP

Introdução

Durante 12 dias do mês de julho de 1991 (de 10 a 22), o autor visitou a Reserva de Nova Lombardia e acumulou 95 horas de observação dos diversos hábitats da área. Aqui são relatadas observações sobre aves incomuns ou ameaçadas, divulgada algumas espécies de aves observadas e uma suscita discussão sobre os dados obtidos.

Área pesquisada

A Reserva de Nova Lombardia, e imediações, com matas nativas possui cerca de 4.000 hectares. Situa-se no município de Santa Tereza, no estado do Espírito Santo, a uma altitude média de 800 metros (Ruschi, 1979; Amorim, N.S., comun. pess.).

A vegetação é composta pela mata atlântica, com árvores cuja altura raramente ultrapassa os 25 metros. A variedade destas e do sub-bosque impressionam. Há constantes taquarais, boa quantidade de bromeliáceas, musáceas, palmáceas (o palmito Euterpes edulis é sobremaneira abundante). Ocorre o aparecimento de raros brejos abertos e capoeiras. Nas áreas vizinhas há cafezais e eucaliptais.

A área apresenta-se muito bem conservada, contudo uma estrada não pavimentada corta parte da reserva.

Observações sobre aves incomuns e/ou ameaçadas

Pionopsitta pileata - cuiú-cuiú

Registrada com relativa freqüência, em maior parte aos casais e, outras vezes, sós. Voam bem alto impossibilitando uma visão mais detalhada da ave. A espécie foi identificada com auxílio de sua voz, bem diversa da de outros psitacídeos da área, lembrando remotamente um Brotogeris. "Sui generis" é seu vôo, meio desorientado, quando efetua desvios laterais na trajetória.

Geralmente foi bem audível, mas difícil de localizar visualmente. Todos os registros foram feitos na parte da manhã e numa área relativamente restrita.

Pode-se designá-la freqüente para a área, embora exista a possibilidade de grande parte dos registros ser de apenas um casal.

Amazona rhodocorytha - papagaio de cabeça vermelha, chauá

Registrado apenas duas vêzes, logo pela madrugada, entoando gritarias coletivas. Por ser uma ave de fácil detecção, pode-se especular, em vista dos poucos registros, se os bandos deste papagaio apenas sobrevoam ou pernoitam na reserva para depois seguir para locais mais baixos. Em julho de 1990 esta espécie mostrou-se freqüente na Reserva de Sooretama, de altitude bem mais baixa.

Macropsalis creagra - bacurau-tesoura

Observado uma única ocasião durante o estudo. Era então dia 13/VII/91, no crepúsculo, por volta das 17:30 horas.

Visto voando a partir de uma área degradada, passando sobre a estrada onde o autor o observava e dirigindo-se para uma área mais florestada. Possivelmente pousou em galhos altos e não emitiu qualquer ruído ou vocalização.

Caracterizou a espécie o tamanho (lembrou ao autor, no lusco- fusco, um gavião-tesoura, Elanoides forficatus), a enorme cauda furcada sem retrizes centrais visíveis, não permitindo confusão com Hydropsalis brasiliana, outro curiango-tesoura.

Em vista dos hábitos crepusculares e noturnos desta ave, não pude apurar mais nada, tampouco o "status" do bicho no local.

Lipauqus lanioides - tropeiro da serra

No campo, o tamanho deste pássaro é notável. De cor geralmente cinzento-amarronzada escura, bem carregada nas asas e especialmente na cauda.

Possui comportamento tranqüilo, ficando parado por certos momentos nas copas da mata, ora alimentando-se de frutos e inflorescências, ora cuidando da plumagem ou simplesmente observando os arredores para, a seguir, voar subitamente para outra copa e repetir a mesma ação. Por vezes, este vôo entre copas pode ser planado.

Sempre encontrado solitário, freqüentemente numa posição típica: olhando para o alto com a cabeça virada de lado.

Sua vocalização pode ser ouvida constantemente, sendo do timbre do congênere Lipauqus vociferans, embora mais baixa, bem modulada e pouco atrapalhada, possuindo até 4 sílabas.

O pássaro mostrou-se comum na reserva.

Myadestes leucogenys - sabiá castanho

Achado logo pela manhã do dia 19/VII/91, apenas 1 indivíduo ao lado de muitos traupídeos e um Trogon rufus, todos em busca de inflorescência de uma árvore não identificada numa capoeira.

De cor marrom bem escura, tendo o ventre, peito e flancos de cor cinzenta conspícua. Outro distintivo é a mandídula amarela. O conjunto é de aparência delicada, lembrando um Catharus, mas nem um pouco um Turdus.

Possui um chamado baixo, chiado e penetrante que chama muito a atenção enquanto o pássaro perambula agilmente pela galharia à procura de frutinhas. Dada a freqüência de registro, é de se supor que a espécie não seja comum no local. Porém, dada a condição preliminar do estudo, não se pode assegurar que a espécie seja rara.

Discussão

Um dos aspectos mais significativos apurados na reserva foi a abundância e a diversificação de aves passeriformes sub-oscines. Das 133 espécies observadas, 66 são passeriformes sub-oscines, perfazendo uma percentagem de 49,62% do total.

A relação sub-oscines/oscines constatada foi de 2,12 - ou seja, para cada oscine houve, aproximadamente, 2 sub-oscines. Considerando que em áreas degradadas pelo homem a relação numérica sub- oscines/oscines apresenta-se baixa (inferior ou aproximadamente igual a 1), concluímos estar a área pesquisada dotada ainda de um considerável ecossistema primitivo e pouco alterado.

Outra característica encontrada foi a considerável presença de espécies endêmicas do sudeste do Brasil. Cerca de 44 espécies listadas aqui (33% do total) são consideradas endêmicas por Scott e Brooke (Scott & Brooke, 1985).

Enquanto o número de endemismos apresentou-se alto, o número total de espécies mostrou-se baixo para 95 horas de observação, ainda que em parte desse tempo tenha chovido, dificultando o trabalho. Tal disparidade é uma característica da avifauna habitante de regiões altas no neotrópico, como o da região pesquisada.

Não foi encontrado em Nova Lombardia grande número de espécies bioindicadoras de degradação ambiental. De certo modo, explica- se este fato pela ausência de grande áreas contínuas degradadas, como pastos, por exemplo. O relevo acidentado do local não é atraente para a pecuária.

Encontrou-se no inverso: espécies bioindicadoras de preservação do hábitat primitivo, como Macropsalis creagra, Campephilus robustus, Xiphocolaptes albicollis, Grallaria varia, para citar algumas.

Atesta-se, assim, a importância da Reserva Biológica de Nova Lombardia na manutenção de um importante acervo de espécies vivas da mata atlântica com especial valor a nível estadual, já que constitui uma das últimas áreas preservadas do Espírito Santo.

Agradecimentos

O autor agradece aos Srs. LUIZ M. ALEIXO, RONALDO N. FORTALEZA e DUZE MARIA R. FORTALEZA pelo apoio irrestrito à realização deste trabalho.

Aos comentários, sugestões e auxílio do Professor Doutor WESLEY R. SILVA (UNICAMP).

Ao IBAMA/ES na pessoa do SR. NEWTON SARMENTO DE AMORIN, Diretor da Rebio de Nova Lombardia que concedeu ao autor estadia e transporte durante sua permanência.

REFERÊNCIAS

- Sem indicação de autor(es) ou data. "Levantamento da APA de Itú" - SP - SPVS.

- Ruschi, A. "Boletim comemorativo do XXX aniversário do Museu de Biologia Mello Leitão - art. Reserva Biológica de Nova Lombardia".

D.A.Scott & M. de L. Brooke, 1985. "The endangered avifauna of South - eastern Brazil: A report on the Bou/WWF expeditions of 1980/81 and 1981/82 ICBP Technical Publications, 1985.

- Sick, H., 1985. "Ornitologia Brasileira, uma introdução", UNB.

 

AO - SERVIÇOS - LINKS