Utilização de Cecropia spp. por aves no Campus da UNESP em Rio Claro

Alexsander Zamorano Antunes - Rio Claro-SP

 

Introdução

Diversos autores têm estudado a utilização da embaúba (Cecropia spp. Cecropiaceae) como fonte de alimento por aves; Skutch (1945), Eisenmann (1961), Silva (1980), Sazima et al (1981), Marcondes-Machado & Argel-de-Oliveira (1988), Oniki et al (1994). As observações, no Campus da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, concentraram-se em 2 áreas que apresentavam Cecropia em frutificação. A área 1 estava localizada nos jardins do Depto. de Matemática e a 2 no Bloco Didático B. O período de observação foi de 10 de setembro a 13 de dezembro de 1993, num total de 24,30 horas. Este estudo visou a identificação de aves alimentando-se de infrutescências de Cecropia e pretendeu-se avaliar a importância de Cecropia na atração de aves em determinadas áreas do Campus, uma vez que os projetos de arborização urbana muitas vezes não levam em conta as aves.

Resultados e Discussão

Do total de 24 espécies observadas visitando Cecropia, apenas 7 (29%) foram vistas alimentando-se, como mostra a Tabela 1. As demais espécies, utilizaram os galhos de Cecropia para descansar, aquecer-se ao sol ( Guira guira e Eupetomena macroura), arrumar a plumagem (Zenaida auriculata, Passer domesticus e Thamnophilus doliatus), como posto de observação (Mimus saturninus e Thamnophilus doliatus) e para procurar artrópodos (Todirostrum cinereum. Troglodytes aedon e Melanerpes candidus). Foi, também, encontrado um ninho de Pitangus sulphuratus sobre uma Cecropia localizada próximo ao estacionamento de bicicletas no Instituto de Biologia (17/09). As outras espécies observadas foram: Chlorostilbon aureoventris. Colaptes campestris, Furnarius rufus, Turdus amaurochalinus, Molothrus bonariensis, Euphonia chlorotica e Zonotrichia capensis.

O macho de rolinha-roxa (Columbina talpacoti), observado alimentando-se, pousou num galho com infrutescências, retirando um pedaço próxima à base,  que foi macerado antes de ser engolido, retirando um pedaço próximo à base, que foi mocerado antes de ser engolido, retirou outro pedaço que deixou cair, voando após isso. Os tuins-de-asa-azul (Forpus crassiorostris), pousaram sobre infrutescências, dependurando-se e retirando pedaços próximo à base, macerando-os antes de engolir. As maitacas-verdes (Pionus maximiliani), provavelmente vindas do Horto Florestal, vizinho ao Campus, pousaram próxima à infrutescências retirando pedaços grandes da parte apical, que eram então passados para a pata (uma delas utilizava a esquerda), retirando então pedaços menores, com o bico, macerando-os antes de engolir. Os suiriris-tropicais (Tyrannus melancholicus), aos pares, pousavam em galhos próximos à infrutescências, vocalizando muito, retiravam pedaços pequenos engolindo-os. Os machos de saíra-cabocla (Tangara cayana) pousaram próximo à frutificações, enquanto 2 deles alimentavam-se, um terceiro pousado mais acima, ficava de sentinela. A cambacica (Coereba flaveola), pousava sobre as infrutescências e de cabeça para baixo retirava pedaços que eram rapidamente engolidos. Um casal de sanhaço-cinza (Thraupis sayaca) residente na área 1 defendia vigorosamente a fonte de alimento contra outros sanhaços-cinzas. Para aquisição de pedaços, pousavam sobre as infrutescências, ou num galho próximo, ou sobre pecíolos acima. Enquanto retiravam os pedaços era comum que os derrubassem.

Tyrannus e Coereba são frugívoras eventuais, aproveitando-se de um recurso disponível em grande quantidade, no caso a frutificação de Cecropia. Para Thraupis, as infrutescências representaram uma importante fração alimentar durante todo o período de estudo. Em nenhuma ocasião foi observada competição interespecífica. Columbina, Forpus e Pionus, devido a seu hábito de triturar as sementes, não contribuem para a dispersão de Cecropia (Snow, 1971).

No início de 1994, a maior parte da vegetação do Depto. de matemática, incluindo Cecropia, foi retirada, fazendo com que as aves que o freqüentavam, algumas até mesmo ali nidificando, não mais possam ser observadas no local.

O presente trabalho foi efetuado sob orientação da Dra. Yoshika Oniki, a quem estendo os meus agradecimentos.

 

Referências Bibliográficas

Eisenmann, E. 1961. Favorite foods of  neotropical birds: flying termites and Cecropia catkins. Auk 78: 636-638.

Marcondes-Machado, L. O. & Argel-de-Oliveira, M. M. 1988. Comportamento alimentar de aves em Cecropia (Moraceae), em Mata Atlântica, no estado de São Paulo. Rev. Brasil. Zool., 4 (4): 331-339.

Oniki, Y., Melo Júnior, T. A., Scopel, E. t. & Willis, E. O. 1994. Use of Cecropia (Cecropiaceae) and nearby trees in Espirito Santo State, Brazil. Ornitol. Neotropical (no prelo).

Sazima, I., Sazima, M. & Semir, J. 1981. Dispersão de moraceae por aves e mamíferos. Resumos, 1º Congresso da Sociedade Botânica de São Paulo.

Sick, H. 1985. Ornitologia Brasileira: Uma Introdução. 2 Vol. Editora Universidade de Brasília. Brasília.

Silva, W. R. 1980. Notas sobre o comportamento alimentar de três espécies de traupídeos (Passeriformes: Thraupidae) em Cecropia concolor na região de Manaus. Acta Amazônica 10 (2): 427-429.

Skutch, A. F. 1945. The most hospitable tree. The Scientific Monthly 60: 5-17.

Snow, D. W. 1971. Evolutionary aspects of fruit-eating by birds. Ibis  113: 194-202.

Willis, E. O. & Oniki, Y. 1991. Nomes Gerais para as Aves Brasileiras. "Gráfica de Região", Américo Brasiliense, SP.

_______________________

Alexsander Zamorano Antunes.

Departamento de Zoologia, UNESP

Caixa Postal nº 199

13.506-900 Rio Claro, SP

 

«Os projetos de arborização urbana devem levar em conta as frutíferas nativas úteis à fauna»

 

 

AO - SERVIÇOS - LINKS