Edição Número 78- JULHO/AGOSTO de 1997 - Pág. 13 -ISSN 0104-2386

AO Number 78 - July/August 1997 - P.13

 

 

Notulae et corrigenda VIII

NOVO LIMITE SUL NA DISTRIBUIÇÃO DO ARAPAÇU-DE-BICO-BRANCO Xiphorhynchus picus NO LESTE DO BRASIL

José Fernando Pacheco & Claudia Bauer - Rio de Janeiro

O arapaçu-de-bico-branco ou arapaçu-de-bico-reto Xiphorhynchus picus possui ampla distribuição cisandina, com numerosos registros espalhados por toda a Amazônia e Escudo Guianense. Ultrapassa os Andes na região norte-colombiana e atinge uma porção do território oriental do Panamá (Ridgely & Tudor 1994). As populações brasileiras desta espécie ocorrem numa infinidade de ambientes florestais criados pela água, tais como várzea, igapó, matas paludosas, florestas ribeirinhas, ilhas fluviais novas cobertas por vegetação arbórea pioneira e buritizais. No Brasil, além da Amazônia, sua presença está estabelecida na porção norte do Pantanal Matogrossense e no Nordeste. Nesta última região, onde Xiphorhynchus picus bahiae é reconhecida como raça privativa, sua presença está associada sobretudo aos manguezais. É particularmente freqüente nos extensos manguezais da baía de Todos os Santos, no entorno de Salvador, onde J. F. Pacheco e B. M. Whitney a encontraram, por exemplo em dezembro de 1993, nos arredores de São Francisco do Conde, perto de Santo Amaro.

Embora a Bahia tenha figurado nos guias e catálogos principais das últimas décadas como limite meridional da espécie (Meyer de Schauensee 1966, 1982, Pinto 1978), ela já havia sido coletada em 1925 e 1939 na região do baixo rio Doce, norte do Espírito Santo por Emilie Snethlage e Álvaro Aguirre, respectivamente (Aguirre 1951). Esta extensão somente foi absorvida de maneira consistente pela literatura mais moderna após a inclusão do rio Doce, Espírito Santo, como "novo" limite sul da espécie, na primeira edição do livro de Helmut Sick (1985).

Em meados de 1987, Carlos E. S. Carvalho encontrou a referida espécie nos manguezais da região metropolitana de Vitória, durante um inventário da avifauna local, estendendo em cerca de 100 km o limite oriento-meridional de sua distribuição. Esta informação foi repassada diretamente à Helmut Sick que a incorporou nos originais da mais recente edição de seu livro (Sick 1997:587).

Durante uma excursão ao extremo sul do Espírito Santo em junho de 1997, encontramos uma população (dias 16-17, 24-26) de Xiphorhynchus picus nos manguezais da desembocadura do rio Itabapoana, na região de Praia das Neves, município de Presidente Kennedy (coordenadas por GPS: 21° 16’69"S, 40° 57’85"W), que serve de limite dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. No dia 25 encontramos este arapaçu em Barra de Itabapoana, ou seja, nos manguezais da margem fluminense do mesmo rio, onde documentamos este primeiro registro de X. picus para o Estado do Rio de Janeiro com gravações de seu canto espontâneo. Este novo limite sul da espécie, agora relatado, está situado cerca de 130 km ao sul da baía de Vitória.

Referências:

Aguirre, A.C. 1951. Soóretama (Estudo sôbre o Parque de Reserva, Refúgio e Criação de Animais Silvestres, "Soóretama", no Município de Linhares, Estado do Espírito Santo.). Bol. Min. Agric., Rio de Janeiro 36(4-6): 1-52.

Meyer de Schauensee, R. 1966. The species of birds of South America and their distribution. Narberth, Penn: Livingston Publishing Company for the Academy of Natural Sciences of Philadelphia.

Meyer de Schauensee, R. 1982. A guide to the birds of South America. Philadelphia: Academy of Natural Sciences of Philadelphia.

Pinto, O. M. de O. 1978. Novo Catálogo das Aves do Brasil. Primeira Parte: Aves não Passeriformes e Passeriformes não Oscines, com exclusão da família Tyrannidae. São Paulo: Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais.

Ridgely, R.S. & G. Tudor. 1994. The birds of South America, 2. Austin: University of Texas Press.

Sick, H. 1985. Ornitologia Brasileira, uma introdução. Brasília: Ed. Universidade de Brasília.

Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Edição revista e ampliada. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

 

 

UFRJ - Lab. Ornitologia, Depto. Zoologia, Inst. Biologia, CCS. 21944-970 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil.

 

 

AO - SERVIÇOS - LINKS
Você pode enviar perguntas ou comentários sobre este site para ATUALIDADES ORNITOLÓGICAS.
Send mail to ATUALIDADES ORNITOLÓGICAS with questions or comments about this web site.
Última modificação (Last modified): novembro 12, 2012